segunda-feira, 3 de maio de 2010

Maio de 2010 - William Somerset Maugham

Sessão de cinema
no Clube de leitura!


  Cine en el club de lectura!


(na foto faltam Cecília e Sandra)

Em 9 de junho fizemos nossa primeira sessão-pipoca, 
na casa da Patrícia.
O filme, de quase 2h30, foi acompanhado
de vinho e um gostoso bate-papo no final.
Tuvimos nuestra primera sesión de cine en la casa de Patricia.
La película de 1946 dura casi 2 horas y media.
Fue un placer verla en tan buena compañía.

Sentimos falta da personagem Suzanne, e também de alguns detalhes da obra de Maugham.
Mas o filme agradou em cheio, e as interpretações foram estupendas, especialmente a de Larry - de acordo com algumas, mais expressivo no filme do que a imagem que permaneceu dele na leitura.
Las interpretaciones son estupendas.
Extrañamos a Suzanne que en la película no existe. Al personaje de Larry se lo ve mucho más expresivo que en la novela.
 Algunas partes del libro fueron eliminadas y otras modificadas. 
Las escenas tienen mucho dramatismo. La película nos encantó y todos coincidimos que la historia estuvo muy bien adaptada al cine.

Experiência a ser repetida...
Gracias Patricia por tanta calidez!

  THE RAZOR´S EDGE
(de 1946, com Tyrone Power e Gene Tierney)






O fio da navalha

El filo de la navaja
"Um de meus escritores favoritos”
“Uno de mis escritores favoritos”
Gabriel García Márquez

26 de maio - 19º Encontro


"Difícil é andar sobre o aguçado fio de uma navalha. E árdua, dizem os sábios, o caminho da salvação."
"Arduo hallarás pasar sobre el agudo filo de la navaja. Y penoso es, dicen los sabios, el camino de la salvación."
Katha Upanishad

Ao fio da navalha é um romance excelente publicado em 1944. O jovem protagonista, um aviador da primeira guerra mundial, sai do caminho tradicional, esperado para um cidadão de classe meio-alta dos Estados Unidos, na procura de respostas sobre o sentido da vida, a existência e o funcionamento do mundo. Como leitores viajamos junto a Larry pela França, a Índia, a Inglaterra y os Estados Unidos e analisamos as diferentes posturas do homem frente a os mistérios da vida, a morte e a criação.

Por que resulta tão difícil aceitar que alguém escolha viver uma vida contraria ao que o mundo capitalista exige?
Quanta força de vontade se precisa para escutar e não trair a nossa alma?

Somerset Maugham relata a historia de um homem que dedica sua vida a entender a condição humana. Achamos original que o narrador seja o mesmo escritor.
Alem dos outros romances, recomendamos também ler os contos de este maravilhoso escritor.

El filo de la navaja es una excelente novela publicada en 1944. El joven protagonista, un aviador de la primera guerra mundial, sale del camino tradicional, esperado para un ciudadano americano de clase media-alta, para buscar respuestas sobre el sentido de la vida, la existencia y el funcionamiento del mundo. Como lectores, viajamos junto a Larry por Francia, India, Inglaterra y los Estados Unidos analizando las diferentes posturas del hombre sobre los misterios de la vida, la muerte y la creación.

¿Por qué resulta tan difícil aceptar que alguien elija vivir una vida
diferente a lo que el mundo capitalista exige?

¿Cuánta sabiduría y fuerza de voluntad se necesita
para escuchar y no traicionar a nuestra alma?

Somerset Maugham relata la historia de un hombre que dedica su vida a entender la condición humana. Nos pareció original que el propio escritor sea el personaje narrador.
Además de sus otras novelas, también les recomendamos leer los cuentos de este maravilloso escritor.

Frases:
"[...] Pois os homens não são somente eles; são também a região onde nasceram, a fazenda ou o apartamento da cidade onde aprenderam a andar, os brinquedos com que brincaram quando crianças, as lendas que ouviram dos mais velhos, a comida de que se alimentaram, as escolas que frequentaram, os esportes em que se exercitaram, os poetas que leram e o Deus em que acreditaram."
"[...] hombres y mujeres no son solamente ellos mismos, sino que además tienen algo de la comarca en que nacieron, de la casa urbana o de la rústica alquería donde aprendieron a andar, de los juegos con que de niños disfrutaron, de las consejas que les fueron narradas, de la comida que los alimentó de los colegios en que estudiaron, de los deportes que practicaron, de las poesías que leyeron y del Dios en que creyeron." (Cap 1, parte 1)

“Porque as mulheres americanas esperam encontrar nos maridos a perfeição que as inglesas só exigem dos seus mordomos.”
“Porque las mujeres americanas esperan encontrar en sus maridos una perfección que las inglesas únicamente esperan de sus mayordomos.” (Cap 4 Parte 6)

“Acho uma grandíssima tolice dizer que pode existir amor sem paixão; as pessoas que afirmam que o amor pode perdurar depois de esgotada a paixão referem-se a outro sentimento, afeição, bondade, comunhão de gostos e interesses, hábito. [...] A paixão não mede as consequências.”
“Cuando dice la gente que puede perdurar el amor después de muerta la pasión, están pensando en algo distinto del amor: cariño, simpatía, comunidad, de gustos e intereses, costumbres… Sobre todo costumbres.
[…] Porque la pasión no piensa en las consecuencias.” (Cap 4, parte 6)

“A mim me parecia que, se um criador onipotente não podia prover às necessidades materiais e espirituais das criaturas, teria então sido preferível não criá-las. [...] Afinal de contas foi ele quem criou os homens e, se os criou susceptíveis de pecar, foi porque assim o quis.”
"Soy de la opinión de que si un creador omnipotente no estuviera dispuesto a atender a las necesidades de la existencia, así las materiales como las espirituales, mejor sería que no los hubiera creado. […] Él creó a los hombres, y si al crearlos les dio la posibilidad de que pecasen, fue porque él así lo quiso." (Cap. 6 parte 3)

"O dinheiro para você significa liberdade; para mim significa escravidão.”
"Compréndelo para ti el dinero significa libertad; para mí servidumbre." (Cap. 6, Parte 6)


William Somerset Maugham




William Somerset Maugham, (1874-1965).
Foi um famoso narrador, romancista e dramaturgo britânico. Nasceu em París e recebeu educaçao francesa e inglesa. Estudou medicina. Tem uma vasta produçao de contos, romances e peças de teatro. Muitas de suas obras, como aconteceu com o livro desde mes, foram levadas ao cinema.
Fue un famoso escritor y dramaturgo británico. Nació en París dónde recibió educación francesa e inglesa. Estudió medicina. Tiene una vasta producción de cuentos, novelas y piezas de teatro. Muchas de sus obras, como es el caso del libro de éste mes, fueron llevadas al cine.


Lemos dois microcontos do escritor espanhol Ginés S. Cutillas (Valencia, 1973).
Leímos dos microcuentos del libro Un Koala en el armario.
   Escolheu a melodia com cuidado. Devia ser suficientemente pegajosa e inusitada. No dia seguinte, no escritório, passou a manhã toda assobiando-a no ouvido do seu colega.
   Quando, à noite, sua mulher chegou em casa cantarolando-a, confirmaram-se suas suspeitas.

NOTAS FALSAS
   Eligió la melodia com cuidado. Debía ser lo suficientemente pegadiza e inusual. Al día siguiente, en la oficina, se pasó toda la mañana silbándola al oído de su compañero.
   Cuando por la noche llegó su mujer a casa tarareándola, se confirmaron sus sospechas.

O COALA DO MEU ARMÁRIO
   Um coala mora no meu armário. Sei que parece estranho, mas uma noite, às cinco da manhã, um ruído me acordou. Quando abri os olhos não acreditei no que via: um coala caminhava fazendo esses até meu armário. Ele o abriu, se encolheu entre as roupas dobradas e fechou a porta.
   No princípio pensei que sonhava mas, depois de me levantar e conferir, percebi que tinha o animal morando no armário desde sabe-se lá quando. Como dormia placidamente, senti pena em acordá-lo. Então fechei a porta e me deitei pensando no que faria no dia seguinte. Mas quando amanheceu não soube o que lhe dizer (o que se diz a um coala que mora no seu armário?) e assim foram passando-se os dias. Pouco a pouco fui abrindo espaço para que ficasse mais confortável. Nunca lhe disse nada. Algumas noites em que chegava tarde, ficava preocupado e não apagava a luz até que o via aparecer enquanto fingia dormir. Se chegava muito bêbado até mesmo ajudava-o a subir cuidando para que ao dia seguinte não se lembrasse.
   Ele sabe que eu sei que existe, mas chegamos a um acordo não oral (nem escrito) de nos ignorarmos.
   Escrevo isso em um papel enquanto como à mesa. Ele está sentado à minha frente, mastigando folhas, bem diante da TV. Eu finjo que não o vejo.

EL KOALA DE MI ARMARIO
   Un koala vive en mi armario. Sé que suena extraño pero una noche, a las cinco de la mañana, un ruido me despertó. Cuando abrí los ojos no di crédito a lo que veía: un koala se dirigía haciendo eses hacia mi armario. Lo abrió, se acurrucó entre la ropa plegada y cerró la puerta.
   En un principio pensé que soñaba pero, tras levantarme a comprobarlo, me di cuenta de que tenía al animal viviendo en el armario desde vete a saber cuándo. Como dormía plácidamente, me dio pena despertarlo. Así que cerré la puerta y me acosté pensando en qué le diría al día siguiente. Pero cuando amaneció no se me ocurrió qué decirle (¿qué se le dice a un koala que vive en tu armario?) y así fueron pasando los días. Poco a poco le fui haciendo espacio para que estuviera más cómodo. Nunca le dije nada. Incluso alguna noche cuando tardaba en llegar, me preocupaba y no apagaba la luz hasta que lo veía aparecer mientras me hacía el dormido. Si llegaba muy borracho hasta le ayudaba a subir con la seguridad de que al día siguiente no se acordaría.
   El sabe que yo se que existe, pero hemos llegado al trato no oral (ni escrito) de ignorarnos.
   Escribo esto en un papel mientras como en la mesa. Él está sentado enfrente de mí, masticando hojas, justo delante de la tele. Yo hago como que no le veo.

____________________________________
para junho / junio:

O AMANTE
El amante
de Marguerite Duras
____________________________________

10 comentários:

  1. Comecei a leitura, adorando o narrador-autor, o estilo da narração, o modo como Maugham vai criando o romance...

    "[...] Pois os homens não são somente eles; são também a região onde nasceram, a fazenda ou o apartamento da cidade onde aprenderam a andar, os brinquedos com que brincaram quando crianças, as lendas que ouviram dos mais velhos, a comida de que se alimentaram, as escolas que frequentaram, os esportes em que se exercitaram, os poetas que leram e o Deus em que acreditaram. Todas essas coisas fizeram deles o que são, e essas coisas ninguém pode conhecê-las somente por ouvir dizer, e sim se as tiver sentido. Só pode conhecê-las quem é parte delas." (Cap.1)

    ResponderExcluir
  2. Andre: Eu marquei a mesma frase no começo do livro!
    Copio outras frases em espanhol que também gostei. (Prometo traduzi-las em quanto pegue uma versão do livro em português):
    “Puede uno tratar de aceptar con indiferencia la opinión de los demás, pero no es sencillo. Cuando es hostil, despierta la propia hostilidad y eso nos perturba.” Capítulo 1, 10.
    “Te quiero; pero, desgraciadamente, hay veces en que no puede uno hacer lo que considera su deber sin causar dolor a otra persona.” Cap. 2, 4.
    “[…] hablaron tan brillantemente, con tan cumplida seguridad de que cuánto decían era de profundo interés, que casi parecía que estaban conversando con cordura.” Cap. 2, 5.

    Não se deixem assustar pelo retrato do Somerset Maugham que colocamos no blog. Ele escreve de um jeito simples e suas descrições são maravilhosas! =)
    Ate a próxima quarta feira!!
    Gaby

    ResponderExcluir
  3. Andrea e Gabriela: Estou achando a leitura do livro, uma delicia. Muito mas da frente para o final.
    Adoré cuando o autor reflexiona logo de falar com a Isabel que: " Eu nunca tivera muita fé na intuição das mulheres; geralmente coincide demas como os desejos delas, para poder inspirarme confiança;e agora ao recordar o fim da minha prosa com Isabel,não pude deixar de rir".
    Depois também ache que a frase: "Porque as mulheres americanas esperan encontrar nos maridos a perfeição que as inglesas só exigem dos seus mordomos" e um maravilhoso exemplo da fina ironia inglesa e seu sentido do humor.
    Até quarta.
    Lydia

    ResponderExcluir
  4. Olá Lydia:
    O escritor é muito irónico e divertido. Adoro como escreve! Me falaram que os contos dele sao espetaculares! Vou procura-los na livraria!!
    Um abraço e obrigada pelas frases!!
    Ate quarta feira, Gaby.

    ResponderExcluir
  5. Olá, pessoal!

    Como foi a reunião de Quarta-feira?
    Não pude ir porque estou com meu cachorro bem doente...
    Senti falta de vocês...

    O livro do Maugham é fantástico.
    Simples, bem-escrito, com descrições que nos prendem.
    Me identifiquei muito com a busca do Larry...

    Quero, por favor, saber duas coisas:
    1) Onde será a sessão de cinema do dia 09/06;
    2) Qual o livro escolhido para Julho.

    Grata!
    Beijos saudosos,
    Alessandra

    ResponderExcluir
  6. Oi, Alê.

    Também sentimos sua falta no encontro.

    Sabia que iria gostar da sessão-cinema.
    Arrumamos o dvd da 1ª versão do filme, de 1946. Nos reuniremos na casa da Patrícia - depois mandamos o endereço.

    O livro votado para julho foi de Paulina Chiziane - Niketche: uma história de poligamia.

    Por enquanto vamos de Marguerite Duras (O Amante) até 23 de junho, dia do debate.

    Bj,
    Ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  7. Olá meninas!

    Guauuuu!!!!! Agora tambeim com uma sessão de cinema....!!!!!!
    Obrigadissima por me convidar, acho uma proposta mais que legal..... Já que mexe com uma outra disciplina y lenguajem," o visual"..., que em parte e meu campo..!
    Complementar a palavra escrita com imagem e sonido abre uma nova perspectiva espressiva ao clube.....A cual acho interesantísima...

    E que eu sou cinefila do alma !!!!!
    Será um prazer!!!!!

    Comfirmadissima! Contem comigo!!!!!!!!!!!!

    JORGELINA.

    ResponderExcluir
  8. Maravilha, Jorgelina!!!

    Já estou colocando seu nome na lista. Até o fim da semana, esperamos já ter os nomes de todos, aí mandamos outro email com o endereço, ok?

    Como você disse, será muito bom também fazer a leitura da história em outra linguagem...
    E ainda poder contar com uma cinéfila de carteirinha, como você!!!

    Bj grande,
    Andréa

    ResponderExcluir
  9. Gabriela e Andréa13 de junho de 2010 13:17

    Patricia: Obrigada por receber a gente na sua casa para a sessao de cinema! Foi muito gostoso! Adoramos o filme, o vinho e as delicias que todas levaram, mas especialmente, a linda companhia!
    Um abraço!!
    Gaby e Andréa.

    ResponderExcluir
  10. o google nos faz ter preguiça mas nos traz coincidencias, ñ lembrava a frase correta "e dificil caminhar..." até tenho o livro mas esta em cima do guarda roupa na bagunça e pesquisei e achei esse blog e quando vejo a primeira coisa foi a data 09/06 meu aniversario ñ tem nada a ver mas é interessant

    ResponderExcluir

Escriba su comentario, haga Click en NOME/URL (Nombre), detalle su nombre y gaha Click en PUBLICAR COMENTARIO.
Para deixar um comentário, após escrevê-lo, escolha a identidade NOME/URL, escreva seu nome e clique em PUBLICAR COMENTÁRIO.